Roteiros | Expressões Artísticas da Fé

Ao longo de vinte séculos, a Igreja, permanecendo fiel à palavra do seu Senhor na Última Ceia “Fazei isto em memória de mim”, tem celebrado a eucaristia com a comunidade dos fiéis. Esta celebração, nascida da simplicidade do gesto de Cristo, foi sendo ritualizada, mantendo sempre a sua estrutura fundamental de presença, palavra e comunhão, variando embora a encenação dos gestos e a forma e decoração das alfaias, consoante as épocas e os costumes. Nessa evolução, a veracidade dos gestos e a qualidade dos objetos foram sendo privilegiadas como forma de expressar a excelência e a força simbólica do mistério celebrado.

Uma viagem pelos objetos utilizados ritualmente na celebração é não só a confirmação da fé das comunidades, como o reconhecimento do valioso trabalho de tantos artistas, da variedade de formas e materiais, num desenrolar de estilos e técnicas de épocas e lugares.

Este percurso, por algumas das alfaias do acervo Patrimonial da Arquidiocese de Évora, propomos que seja feito a partir do quadro de Francisco de Campos “Missa de S. Gregório” onde aparecem, em função, os objetos mais comuns da celebração da Missa.